Ponto de vista – ou Vista do ponto?

Tudo é questão de ponto de vista. Clichê né? Pois é, mas é a mais pura verdade. Quando minha psicóloga me falou isso, olhei bem para a cara dela e pensei “tá, eu sei disso, mas e daí?”.

Aos poucos, fui matutando essa frase, e vendo que ela realmente faz mais sentido. Hoje, você se importa e morre por uma coisa, mas amanhã isso já não tem mais importância. Tudo por conta desse tal ponto de vista.

 

Quando a gente tá com algum problema, temos a tendência a aumentar, sofrer e tudo mais. Mas, quando você roda, gira, e olha todos os lados (bons e ruins), fica mais leve. Não to falando pra você ligar o famoso foda-se, mas para começar a pensar um pouco mais racionalmente.

Aqui vai um exemplo bobo que aconteceu comigo: sempre fui a louca para não atrasar e que não gostava de esperar. Um dia, pensei “mano, ficar grilada com isso só me deixa pior. Vou tentar mudar isso”. Aos poucos (bem pouco mesmo), comecei a ver que, se eu perdesse o busão, poderia ler meu livro por mais tempo, ou poderia comprar um sorvete. Ou ver as pessoas ao meu redor. Hoje, já estou bem mais desencanada. Ainda me importo em esperar, mas não ao ponto de querer arrancar os cabelos por isso. Doido né?

(inclusive, minha psicóloga disse “viu Mariana, era tudo questão de prioridade”).

E isso é uma tarefa diária. Não tô aqui com nenhuma fórmula mágica. Apenas… desencane. Olhe os outros lados, e você vai perceber que nem sempre vale a pena se estressar.

Para completar esse texto, deixo aqui um vídeo da Jout Jout sobre esse assunto:

Ah, só mais uma coisinha: o Setembro Amarelo acabou, mas se quiser conversar, só mandar mensagem pra gente, estamos aqui para sofrer e nos ajudar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *